17
Mai 09

 

A minha avó, a minha mãe e o meu tio Alberto Jorge

na 1ª Comunhão da minha mãe.

 

 

            A minha mãe, Maria Eduarda, nasceu em Lourenço Marques, Moçambique, onde viveu até Dezembro de 1974.

            Ela recorda esta época como o período de ouro da sua vida, pela intensidade das relações humanas, das experiências diversificadas e do exotismo do espaço.

            Até aos três anos, e porque a minha avó era funcionária dos Caminhos-de-Ferro de Moçambique, a minha mãe passava os dias com as tias Titicas, Zezinha e Aidinha, e com os primos e o irmão Joca. Aos três, ingressou no Colégio D. António Barroso, da Congregação do Sagrado Coração de Maria, que frequentou até aos quinze anos. A minha mãe lembra-se, ainda, com um carinho especial, de ter frequentado o ensino pré-primário, bem como aulas de piano e ballet, actividades extra-curriculares, que o colégio disponibilizava, entre muitas outras.

            Aos fins-de-semana, costumava ir à praia com a família e amigos. Numa zona de dunas, havia uma colónia de macacos que roubava os lanches que se levassem. Por isso tinha que ficar sempre alguém a vigiar as toalhas. Conta ainda que só podia ir à praia da parte da manhã, porque, com o aquecimento das águas do mar, à tarde apareciam “garrafas-azuis”, um invertebrado marinho que se enrolava no corpo dos banhistas, provocando dores muito fortes. Outra actividade de fim-de-semana era andar de barco à vela, junto à costa.

            Naquele clima tropical, a alimentação baseava-se em frutos exóticos, marisco, refrescos e gelados, bem como saladas e pratos frios.

            Como os meus avós trabalhavam, a lida da casa ficava ao cuidado do cozinheiro e do “mainato”, o empregado que tratava da roupa e da limpeza. Estes dois empregados habitavam num anexo da casa e usufruíam de alimentação e banhos diários, para além do ordenado mensal. A minha avó fazia questão de que os seus empregados frequentassem a escola todos os dias da semana às cinco da tarde. Para isso, ela comprava-lhes os livros e os cadernos.

            O turismo que a minha mãe fazia era com destino a estâncias balneares próximas de Lourenço Marques, o Bilene e a Ponta do Ouro, ou à montanha, a Namaacha, cuja água de excelente qualidade entrava na cadeia de fabrico da melhor Coca-Cola que a minha mãe diz já ter bebido. Na Namaacha, ela, o meu tio e os primos andavam a cavalo, passeavam pela cascata e iam à caça. Outra viagem que a minha mãe fazia com regularidade era a Johannesburg, na África do Sul, uma cidade, na altura, de primeiro mundo, embora se verificasse o Apartheid.

            Até 1974, Moçambique não dispunha de serviço de televisão, pelo que a família da minha mãe privilegiava uma vida baseada no convívio social e na diversificação de actividades. Existia sim, um serviço de rádio de grande qualidade, a emissora da Rádio Clube de Moçambique, importantíssima, na medida em que foi o meio de difusão dos acontecimentos do 25 de Abril, em Portugal.

            Após o 25 de Abril de 1974 e terminado o ano lectivo, muitos foram os amigos da minha mãe que abandonaram Moçambique em direcção a Portugal, África do Sul e Brasil. Os meus avós decidiram, inicialmente, que não sairiam de Moçambique. Contudo, duas datas na história deste período fizeram-nos mudar de ideias: o 11 de Setembro e o 21 de Outubro de 1974. Estes dois momentos foram de sublevação das populações negras dos arredores da cidade, de tal modo graves, que levaram a que os portugueses decidissem abandonar Lourenço Marques. De facto, as ruas foram invadidas por multidões armadas de catanas e petróleo, que utilizaram para matar sangrentamente ou incendiar carros com as pessoas lá dentro.

            Blindados e tanques começaram a patrulhar as avenidas e o clima de desconfiança estava instaurado.

            Dada esta situação, os meus avós, como a maior parte dos portugueses, decidiram abandonar Moçambique, devido à falta de segurança e à instabilidade política. A minha mãe ainda iniciou o ano lectivo 74/75, em Lourenço Marques, tendo terminado o primeiro período, em Coimbra. Contudo, como os meus avós, que eram funcionários públicos, tiveram que tratar do seu processo de reforma, em Lisboa, a minha mãe terminou o 10.º ano, no Liceu do Estoril. Findo este ano escolar, regressou a Coimbra, onde frequentou o 11º ano. O Natal de 1975 foi passado em Moçambique, onde os meus avós se tinham deslocado, na tentativa de recuperar alguns bens. Graças ao esforço e determinação do meu avô, ainda conseguiram trazer para Portugal as mobílias, num enorme contentor, e o carro, que só chegaram durante o ano de 1976.

            A minha mãe passou, então, a viver e a estudar definitivamente em Coimbra, tendo sempre ficado com a mágoa de nunca mais ter voltado a ver familiares muito próximos.

  

 

A família mais próxima da minha mãe.

 

 

Uma prima da minha mãe, o meu tio e a minha mãe.

 

 

 

A casa da minha mãe, em Lourenço Marques.

 

 

Carolina Santos

 

publicado por projecto9b às 10:07

ola Carolina, a pesquisar informacoes sobre o colegio D. Antonio Barroso, encontrei o teu blog, será que a sua mae tem um foto da fachada do colegio? Eu tb nasci em LM e sai de lá em 1976. Terá ela sido minha colega?

Obrigada. Meu email eh anakcardoso@yahoo.com

Anabela
anabela a 2 de Junho de 2009 às 09:59

Olá

Encontrei este blog por acaso

Também no colégio da Infantil ao 5º ano

Sou mais velha do que sua mãe mas andei por todos esses sitios e tem saudades

Só uma pequena correcção a Congregação chama-se da Apresentação de Maria

Um Abraço

Ana
Anónimo a 13 de Outubro de 2009 às 19:28

Qual é a idade da tua mãe e o nome?
Sou mais velha mas andei pelos mesmos sitios,tb passava os fds na Namaacha onde os meus pais tinham uma casa de fim de semana...
Anónimo a 4 de Janeiro de 2010 às 23:48

Elaine Cristina Meneguetti
debora a 22 de Maio de 2012 às 00:29

Carolina

Nasci e cresci em na maravilhosa cidade de Lourenço Marques e vivi por lá até 1978. Queria só fazer um reparo: a data dos incidentes não é 11 mas sim 7 de Setembro de 1974.
Felicidades
Ana Luisa
Ana Luisa a 24 de Fevereiro de 2010 às 12:41

Olá Catarina,

Adorei ler o teu projecto... Descobri-o porque volta e meia procuro na internet o nome da tua Mãe (tinha o vosso contacto e perdi-o, fartei-me de enviar-lhe mails para o endereço do instituto, inclusive telefonei para o instituto a pedir-lhe para darem-lhe uma mensagem. mas em vão... Com tudo isto não felicitei a tua Mãe no 50º aniversário dela).

Se puderes envia-me para o meu email os vosso contactos. Sei que mudaram de casa. Que tal ? Estás a gostar ?
[Error: Irreparable invalid markup ('<br [...] <a>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

Olá Catarina, <BR><BR>Adorei ler o teu projecto... Descobri-o porque volta e meia procuro na internet o nome da tua Mãe (tinha o vosso contacto e perdi-o, fartei-me de enviar-lhe mails para o endereço do instituto, inclusive telefonei para o instituto a pedir-lhe para darem-lhe uma mensagem. mas em vão... Com tudo isto não felicitei a tua Mãe no 50º aniversário dela). <BR><BR>Se puderes envia-me para o meu email os vosso contactos. Sei que mudaram de casa. Que tal ? Estás a gostar ? <BR><BR class=incorrect name="incorrect" <a>Bjnhs</A> para ti irmã Pais e Avó Dulce. <BR><BR class=incorrect name="incorrect" <a>Luisa</A>
Luisa Reis Costa a 1 de Abril de 2010 às 14:08

OLÁ O MEU NOME E CARLA.E PROCURO FAMILIARES EM MOÇAMBIQUE.A MINHA AVÓ CHAMAVA SE OLGA O MEU AVO ANTÓNIO COSTA PIRES.A MINHA MÃE BELINHA E O IRMÃO MÁRIO.AS MINHA S TIAS MARIA,LIDIA ODETE QUE TAMBEM TRABALHARAM NOS CAMINHOS DE FERRO.OS MEUS PRIMOS...



CARLA PIRES a 27 de Outubro de 2010 às 12:20

olá sou valeria e gostaria de entrar em contato com vc pois já conheci uma tal de Maria Eduarda obrigada e beijos
renata a 14 de Março de 2011 às 17:26

Eu andei no colégio d. antónio barroso em lourenço marques até 1970. E partir dessa data fui estudar para o liceu d. ana da costa portugal. ando á procura de antigas colegas de colégio .Em 1970 terminei a 4ª classe. Gostaria que pusse as fotos das peças de teatro , de natal e as festa do final do ano lectivo que eram no antigo cinema Dicca e que eu tinha como prf. de ballet a d. maria.Agradecia qualquer informação.
obrigada

Maria joão faria de almeida
Anónimo a 29 de Abril de 2012 às 13:25

ONDE ERA ESTA RUA
TAMBEM ANDEI NO COLEGIO E GOSTAVA DE SABER ALGO MAIS E VER FOTOGRAFIAS
MARIA a 14 de Novembro de 2013 às 17:25

Maio 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
15
16

19
22
23

27
28
29



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

arquivos
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO